Freeonline.it - La guida italiana alle risorse gratuite
 
Home Fotos A Região Contato
 
Indice generale
 
»
Home
»
Roteiros e Mapas
»
A Região
»
Expedições
»
Artigos e Reportagens
»
Galeria de Fotos
»
Programe-se
»
Contato
»
 
»
 
»
 
»
 
»
 
Tutto Gratis

 
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
   
 
  GRAÇAS DE MINAS  

 

Garças de Minas:

E. F. de Goiaz (1916-1920)

E. F. Oeste de Minas (1920-1931)

Rede Mineira de Viação (1931-1965)

V. F. Centro-Oeste (1965-1975)

RFFSA (1975-1996)

FCA (1996-2006)

GARÇAS DE MINAS

Município de Iguatama, MG

Linha-Tronco - km 602,810 (1960) MG-0126

Inauguração: 10.03.1916

Uso atual: estação da FCA com trilhos

Data de construção do prédio atual: 1916

 

HISTORICO DA LINHA: A linha-tronco da RMV foi construída originalmente pela E. F. Oeste de Minas a partir da estação de Ribeirão Vermelho, onde a linha de bitola de 0,76 chegou em 1888. A partir daí, a EFOM iniciou seu projeto de ligar o sul de Goiás a Angra dos Reis, passando por Barra Mansa por bitola métrica: construída em trechos, somente em 1928 a EFOM chegou a Angra dos Reis, na ponta sul, e no início dos anos 1940 a Goiandira, em Goiás, na ponta norte, e já agora como Rede Mineira de Viação. A linha chegou a ser eletrificada entre Barra Mansa e Ribeirão Vermelho, e transportou passageiros até o início dos anos 1990. Nos anos 1970, o trecho final norte entre Monte Carmelo e Goiandira foi erradicado devido à construção de uma represa no rio Paranaíba, e a linha foi desviada para oeste encontrando Araguari. Hoje (2003) a linha, já não mais eletrificada, é operada pela concessionária FCA.

 

A ESTAÇÃO: A estação de Garças foi inaugurada em 1916. Era na época da linha da E. F. Goiaz, e passou a ser o entroncamento da linha da EFOM que vinha de Belo Horizonte. Em 1920 a E. F. Oeste de Minas assume a massa falida da EFG. Nos anos 1940 passou a se chamar Iguatama, nome do município à qual pertencia e ainda pertence. Depois o nome passou a ser Garças de Minas. Ali havia um depósito de locomotivas. Ainda é hoje um importante entroncamento das duas linhas operadas pela FCA, atual concessionária. A estação continua sendo utilizada pela concessionária e o prédio é tombado pelo Patrimônio

Histórico do município.